skip to Main Content

OS EXCELENTES GOLEIROS DE ITABUNA Por Walmir Rosário

OS EXCELENTES GOLEIROS DE ITABUNA  Por Walmir Rosário

Recentemente recebi do colega radialista e advogado Geraldo Santos Borges, uma
mensagem por WhatsApp me incentivando a mostrar os bons goleiros que passaram por
Itabuna, desde os amadores até os profissionais. E mais, o Jurista, como nos tratamos,
ainda catalogou bons nomes e informações dos que fizeram a alegria dos itabunenses, em
seus clubes ou na brilhante Seleção de Itabuna amadora.

E como não poderia deixar de ser, Carlito, colega nosso de Ceplac, encabeça a lista. Em 4
de abril de 1957, titular da Seleção de Itabuna no Torneio Antônio Balbino, foi um dos
responsáveis diretos pela conquista do título. À época, na disputa por pênaltis, que eram
batidos por um só jogador. E nessa final foram cobradas três séries de cinco penalidades,
cada. Pela Seleção de Itabuna Santinho marca todos os 15 e Carlito defende um.

Classificada para a final contra Alagoinhas, Itabuna vence por 2X0 e é Campeã.

Esse mesmo selecionado, no segundo semestre, se sagra vencedor do Campeonato
Intermunicipal Baiano de Amadores, desta vez com o goleiro Asclepíades (se revezava
com Carlito). E Geraldo Borges ressalta que além de defender, Asclepíades era um
excelente batedor de pênaltis, o que fazia com frequência no Flamengo, time em que
jogava. E ele era o terror dos atacantes nas cobranças de escanteio contra o time que
defendia, pois saia do gol pra socar a bola ou algum atacante que se descuidasse na
tentativa de cabecear para o gol.

Outro merecedor de destaque é Plinio Assis, também do Flamengo. Tranquilo, frio,
extraordinário. Diziam que o time era Plinio e mais dez. Na seleção de Itabuna, em um
jogo na desportiva contra a seleção de São Felix, a bola já havia passado e ele a tirou com
o calcanhar. Fatalmente entraria. Após o jogo, o narrador Geraldo chama de lance de pura
sorte. Plínio ficou possesso e ressaltou que fez a defesa de forma consciente.

E tudo indica que foi mesmo. De outra feita, conta o Vasco da Gama, no campo da
Desportiva, Delém chuta a bola na marca do pênalti e Plínio parte para a jogada, a bola
bate no seu peito e não entra. Contra a seleção de Muritiba, o atacante cabeceia, Plínio foi
vencido e levanta seu calcanhar como último recurso, conseguindo evitar o gol. E Geraldo
Borges arremata: “Que Higuita que nada”, ao ver o goleiro da Colômbia fazer
malabarismos e artes deste tipo, até em jogos de Copa do Mundo. Plínio já fazia antes.
Luiz Carlos foi outro goleiro inesquecível. Fechava o gol. Era uma segurança. Alto, esguio,
elegante, preciso, seguro. Se ele não tivesse sido jogador antes de Leão – do Palmeiras e
da Seleção Brasileira –, certamente não faltaria quem dissesse que ele imitava o Leão. Até
o gesto que fazia quando a bola ia pra fora era semelhante ao do goleiro Leão. Luiz Carlos
e Plínio se revezavam na Seleção de Itabuna.

– E o Betinho? Este tem uma história difícil de acreditar para quem não viveu àquela
época – lembra Geraldo.

E Geraldo Borges continua: “Já ouviram falar em alguém que acertou na loteria e rasgou o
bilhete? Pois foi quase isso que aconteceu com Betinho. Trazido a Itabuna para jogar no
Janízaros de Gerson Souza, se superava a cada partida. Alto, bom porte, ‘como um gato’
(diria Tadeu Schimidt) pegava tudo e mais alguma coisa”.

O Santos – então melhor time do mundo – veio jogar um amistoso em Ilhéus, trazendo
Pelé e o time completo. “Os ilheenses buscaram Betinho para jogar na seleção de Ilhéus
que seria a equipe adversária do Santos. Betinho, fechou o gol. Pegou tudo. Mesmo assim
o Santos ganhou pelo placar de 3X1.

Durante a partida, o ponta-esquerda Pepe, conhecido pelo chute forte como o canhão da
Vila Belmiro, era o cobrador de faltas do Santos. Chovia, campo molhado, bola pesada.
Falta na intermediária de Ilhéus e Betinho desafia Pepe, mandando abrir a barreira. Pepe
cobra forte, como sempre. E Betinho segura e cai com a bola. A mão ficou em frangalhos,
mas a bola não passou e ele continuou no jogo como se nada tivesse acontecido.

Reza a lenda que Pelé correu pra área, suspendeu Betinho puxando pela camisa e teria
dito: “Levanta goleirão, vou lhe levar pro Santos!”. Betinho foi. Mas não ficou. Com
saudades dos amigos e das farras itabunenses, pegou um ônibus e voltou pra Itabuna. De
nada adiantou as recomendações de Claudio, então titular no gol do Santos. “Calma
baiano, você vai jogar no gol do melhor time do mundo!…”.

Daqui de Itabuna o Betinho foi para o Vitória. E segundo me disseram, morreu em Jequié,
sua terra, trabalhando como carregador de caminhão – uma pena!… Ressalta o escritor
esportivo Tasso Castro, que nunca viu um goleiro segurar (sem encaixar) chutes fortes de
fora da área como Betinho. Ele era diferente.

– Sua colocação e segurança eram impressionantes. Parecia que a bola o procurava. Tinha
poucos defeitos como nos cruzamentos para área, por exemplo. Vi um jogo do Itabuna
contra o Bahia no estádio da Graça. No empate de 1 x 1, que deu o título do segundo
turno ao Itabuna, ele fechou o gol. Eu estava lá –, comenta Tasso Castro.

Também passaram outros bons goleiros por Itabuna, a exemplo de Ivanildo, do
Fluminense, que tinha bastante colocação e segurança ao disputar as bolas na área. Pelo
Itabuna Esporte Clube também jogaram grandes goleiros, como Geraldo (do Rio de
Janeiro), que morreu afogado no rio Cachoeira, próximo ao Salobrinho; Zé Lourinho,
Laércio e Getúlio, cada um deles dando conta do recado.

NOCHA

Radialista, jornalista e advogado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top

Send this to a friend