skip to Main Content

Frente Parlamentar dos Consórcios Públicos da Bahia, um avanço

Frente Parlamentar Dos Consórcios Públicos Da Bahia, Um Avanço

Por Luciano Veiga

No dia 27 de novembro de 2019, uma quarta-feira, ocorreu na Assembleia
Legislativa da Bahia, a Audiência Pública sobre Políticas dos Consórcios
Públicos da Bahia. O evento que marca o apoio ao municipalismo por parte
dos parlamentares baiano.

Atender aos consórcios que vem viabilizando as políticas públicas
estruturantes junto aos municípios, em especial aos de pequeno porte, é
fortalecer o municipalismo através desta autarquia. A falta de escala na
maioria dos municípios tem dificultado o atendimento às demandas de seus
munícipes no tocante ao saneamento básico, resíduos sólidos, saúde,
educação, estradas, dentre outros.

A construção da Frente Parlamentar dos Consórcios Públicos da Bahia,
portanto, vem resgatar e atender a uma luta pelo resgate do municipalismo,
dando a oportunidade aos municípios através da sua instituição, buscar
recursos em face das demandas.

Na Bahia, o movimento vem com cores suprapartidária, puxado pelos Deputados
Estaduais, Osni do PT e Zé Coca do PP, ambos com experiência exitosa como
Ex-Presidentes de Consórcio e tem, no Governador do Estado da Bahia, Rui
Costa, a condição de Presidente do Consórcio do Nordeste, com ambiente
político favorável. Se espera a criação da Frente com força para quebrar
paradigmas, romper barreiras e construir uma nova cultura, que possibilite
o desenvolvimento sustentável dos 417 municípios baianos de forma
equilibrada.

A Frente terá um papel inovador e agregador, na condição de dar
visibilidade, construir pontes entre os entes federativos: Estado e União.
Terá, também, como desafio, criar mecanismo legal que possibilite e
facilite aos consórcios a condição de captar recursos internacionais, que
atenda às necessidade básica do ser humano, como acesso a um sistema de
saúde e saneamento básico universal e de qualidade.

A Estrutura Federativa do Brasil apoiada no cavalete da esfera executiva,
formado por: União, Estado, Distrito Federal e Municípios tem demonstrado
desequilíbrio no exercício de competência, de responsabilidade e na
distribuição e recebimento de recursos entre os entes, de forma a gerar uma
onda negativa na gestão pública, motivada, em regra, pela individualização
das ações e atos administrativos que por ausência de escala, dentro de um
escopo linear, não ganha dividendo, necessário aos municípios, onde algumas
políticas públicas, a exemplo de destino dos resíduos sólidos urbanos, que
necessita de quantidade e, consequentemente escala para construir e gerir
equipamentos que atenda ao conjunto de cidades.

A torcida agora é pela adesão dos demais parlamentares ao projeto de
criação da Frente Parlamentar de Consórcios Públicos da Bahia,
independentemente da cor partidária. Em cada território, reduto político
dos Deputados Federais e Estaduais, existe um município consorciado a um
consórcio Público de Desenvolvimento e/ou de Saúde. Este arranjo dos
consórcios, com a batuta da Federação de Consórcios Públicos da Bahia –
FecBahia, busca calibrar ações de forma que todos os povos deste Estado
possam ter dos entes públicos, uma resposta às suas reivindicações e que,
de fato, possamos dizer que esta Bahia é “Terra é de Todos os Santos”, pois
atende o seu povo nas esteiras das suas necessidades.

Ser a favor dos Consórcios Públicos é estar a favor dos municípios, da
Bahia e do Brasil. A Frente Parlamentar dos Consórcios Públicos da Bahia é
a Bahia dando o compasso e a régua para o desenvolvimento sustentável dos
municípios baianos.

Luciano Veiga – Advogado, Administrador e Especialista em Planejamento
de Cidades (UESC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top

Send this to a friend