skip to Main Content

COMUNICAÇÃO TRISTE COM PARTIDA DO SEU GOGÓ DE OURO

COMUNICAÇÃO TRISTE COM PARTIDA DO SEU GOGÓ DE OURO

Elival Vieira dos Santos foi o nome recebido na pia de batismo, mas Ilhéus, a Bahia e o
Brasil o conhecia como Saldanha, o Gogó de Ouro, voz que tanto sucesso fez pelas
emissoras de rádio, documentários em TV, palanques e reuniões. Foi chamado por Deus
na tarde deste sábado (25), sem se despedir dos parentes e amigos. Não deu tempo, o
coração falhou e nem esperou a cirurgia marcada para esta segunda-feira (27).
Saldanha completaria 71 anos no próximo dia 8 de agosto próximo e prometia brindar
com os amigos a passagem de mais um ano e foi impotente para fazer o tempo parar por
uns dias. Desígnio de Deus, com certeza. Ilhéus perde um dos seus filhos ilustres,
daqueles que, embora não tenha nascido no solo desta mãe gentil, o é por direito, por
Título de Cidadão conferido pela Câmara Municipal.
Conheci Saldanha por volta do final da década de 1970, num dos muitos eventos de
comunicação. De logo, nos tornamos mais que conhecidos – amigos. Quando nos
encontrávamos passávamos os fatos em revista, e ele, com a gentileza de sempre, fazia
questão de elogiar os trabalhos, contava seus planos futuros e sua intenção de entrar na
política como parlamentar.


Participar de um evento com Saldanha era certeza de alegria, pois contagiava a todos com
os elogios, como se estivesse falando para multidões. Fazia questão que todos ouvissem o
seu discurso, mesmo que particular. Sabia, como ninguém, quebrar o “gelo” numa
entrevista coletiva, ao pedir a palavra e direcionar uma pergunta para o presidente,
governador, senador, deputado ou prefeito.
Direcionar uma pergunta é pouco. Saldanha não se conformava com uma simples e direta
pergunta, fazia questão de explanar o tema, dar conhecimento ao entrevistado de todas
as nuances do ato ou fato em questão. E esse comportamento se tornou marca registrada
de sua participação, que de mero comunicação se transformava no centro das atenções.
Esse era o Saldanha que todos conheciam.
Ao fundar e editar o jornal Foco Bahia estendeu seus poder para a imprensa escrita e
marcou território. A cada ano, no dia 28 de junho promovia uma lauta feijoada, ou
moqueca para comemorar o aniversário de Ilhéus. E Saldanha conseguiu a proeza que
muitos gostariam e não conseguiam: reunir, num mesmo evento e numa mesma mesa,
praticamente todos os pré-candidatos a prefeito de Ilhéus.
Presente ao evento, o fotógrafo Clodoaldo Ribeiro retratou muito bem como os políticos se
comportam na intimidade, longe dos comícios e dos eleitores, com cidadania. As risadas e
os tapinhas nas costas terão fim assim que comece o período da campanha eleitoral. Aliás,
nem precisa esperar tanto tempo, pois nas entrevistas nos veículos de comunicação as
rusgas e diferenças já começaram faz tempo. Só Saldanha para desnudar a política.
De outra feita, num Carnaval, promoveu na avenida Soares Lopes o Camarote “Dubai é
Aqui” onde recebia as personalidades ilustres de Ilhéus e de outras cidades, devidamente
trajado em roupas do Oriente Médio. E assim o extravagante “Sheik Saldanha” recebia

seus convidados como um perfeito anfitrião. Além do conhecido charme, Saldanha
mostrava o seu bom gosto, servindo as mais finas bebidas e comidas.
Uma certa época nos encontramos no calçadão da Marquês de Paranaguá e paramos para
botar a conversa em dia. Ele estava decidido a se lançar candidato nas próximas eleições,
tentando assento na Câmara ou Assembleia. De repente, para um amigo e colega
advogado que eu não via há muitos anos, quando Saldanha me apresenta: Rosário, esse é
o meu irmão Rubens Vieira. Além do susto pelo parentesco, fiquei surpreso ao saber que
Rubens também era empresário e pastor na Igreja Batista Teosópolis.
De outra feita, nos reunimos num cafezinho em frente ao Palácio Paranaguá – onde
montou se escritório itinerante com Aderino França – e passamos a conversar. De repente,
me pergunta se nasci em Itabuna ou se no sul do país. Respondi que em Ibirataia. Susto
refeito, ele me confidenciou ser meu conterrâneo, embora tenha pedido total e irrestrita
discrição. E, em seguida, explicou:
– Todos aqui em Ilhéus acreditam piamente que sou ilheense de nascimento e eu não
gostaria de que tivessem esse desprazer em deixarem de ser meus conterrâneos, pois
poderiam ficar traumatizados com a perda. Anos depois um vereador consegue descobrir
o segredo de sua naturalidade, guardada a sete chaves, e lhe concede o honroso Título de
Cidadão Ilheense. Se não era ilheense de fato, passou a ser por direito.
Agora, com sua viagem eterna, os que aqui ficaram terão que apenas guardar o vozeirão
de Saldanha na memória, cultuando como o amigo alegre de sempre e que não tolerava
conversas “pobres” e mesquinhas. Enquanto isso, lá no céu, eu gostaria de saber como se
apresentou a São Pedro e qual o lugar de destaque que ocupa, fazendo ecoar seu vozeirão
naquele santo ambiente conhecido pela quietude e serenidade.
Saldanha, o Gogó de Ouro é capaz de tudo!

Walmir Rosário;Radialista, jornalista e advogado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top

Send this to a friend